Câncer de fígado: saiba mais sobre a doença

Câncer de fígado: saiba mais sobre a doença

A maior parte dos brasileiros se descuida quando o assunto é câncer do fígado. Dados de uma pesquisa encomendada pelo Instituto Brasileiro do Fígado (Ibrafig) mostram que 60% da população não fez, ou não sabe se fez, testes para a detecção de hepatite C e 52% para hepatite B.

A convivência crônica com os vírus causadores das hepatites é uma das principais responsáveis pelo chamado carcinoma hepatocelular (ou hepatocarcinoma), que é o tipo mais comum de câncer primário do fígado. 

A doença pode ter origem primária (começa no próprio fígado) ou secundária (tem origem em outro órgão e evolui para metástase, atingindo também o fígado).

Contraditoriamente, oito em cada dez entrevistados afirmaram que sabem que a testagem da hepatite está disponível gratuitamente em unidades públicas de saúde. Apesar do conhecimento, 47% deles responderam que não realizam o exame por não sentirem necessidade ou dor, enquanto 46% demonstraram falta de interesse.

Além das hepatites, a cirrose induzida pelo etilismo, e a esteatose hepática (inflamação gordurosa do fígado) são causadoras dos processos inflamatórios no fígado que podem levar ao desenvolvimento do câncer.

Segundo dados do INCA (2019), os cânceres do fígado e das vias biliares intra-hepáticas estão em sexto lugar na lista de mortalidade das neoplasias entre homens no Brasil. Entre as mulheres, ocupam a oitava posição. No mundo, de acordo com dados de 2020, da Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença é a terceira em óbitos. Vale lembrar que a hepatite C tem cura e a hepatite B possui uma vacina eficaz e gratuita, disponibilizada pelo SUS.

Não espere os sintomas

Os exames das hepatites, em caso positivo, são essenciais para avaliar a evolução do hepatocarcinoma, geralmente assintomático e tratável no estágio inicial. Quando descoberto na fase em que os sintomas já se manifestam, os cuidados são prioritariamente paliativos e o prognóstico, menos otimista.

Outros tipos de tumor do órgão são as colangiocarcinomas (inflamação das vias biliares) e angiossarcomas, desenvolvidos a partir do contato com substâncias carcinogênicas, como cloreto de vinil, arsenicais inorgânicos e solução de dióxido de tório, encontrados em agrotóxicos.

Esses tipos representam os cânceres primários do fígado — que começam no próprio órgão. Há ainda tumores secundários ou metastáticos, cuja origem ocorre em outro local e, com a evolução da doença, chegam ao fígado. De acordo com o INCA, o tipo secundário mais comum vem a partir de tumores no intestino grosso ou no reto.

Principais sintomas

  • Dor abdominal;
  • Massa abdominal;
  • Distensão abdominal;
  • Perda de peso inexplicada;
  • Perda de apetite;
  • Mal-estar;
  • Icterícia (tom amarelado na pele e nos olhos);
  • Acúmulo de líquido no abdome.
  • Hepatites virais

Prevenção

O Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais, publicado em julho de 2020, pelo Ministério da Saúde, destaca que 74.864 pessoas morreram no Brasil, entre 2000 e 2018, em decorrência da doença.

Há vacinas disponíveis apenas para os tipos A (crianças menores de cinco anos e pessoas com doença no fígado) e B (população em geral). Evitar a infecção por hepatites virais, especialmente a B e C, diminui o risco do câncer no fígado. Outras medidas que podem ser adotadas:

  • Prevenir doenças metabólicas, como o acúmulo de gordura no fígado (esteatose hepática) e diabetes;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas;
  • Nunca usar esteroides anabolizantes;
  • Manter um peso corporal adequado;
  • Não consumir alimentos contaminados por aflatoxina – substância produzida por fungos/bolores encontrados no amendoim, milho e mandioca, quando armazenados em condições inadequadas;
  • Não fumar e evitar a inalação da fumaça do cigarro.
  • Usar preservativo nas relações sexuais e não compartilhar o uso de seringas, como forma de evitar o contato com os vírus das hepatites B e C;
  • Não se automedicar. Remédios comuns como analgésicos, ingeridos sem orientação e em excesso podem ocasionar danos irreversíveis ao fígado.

Cuide de sua saúde, seu bem mais precioso.

Este conteúdo foi útil para você? Curta, compartilhe e faça a diferença na vida de alguém. 

Oncocenter, dedicada a você.

Fontes: Ibrafig, INCA, OMS, Ministério da Saúde.

Siga-nos

Notícias recentes

Câncer renal

Esse tipo de câncer não é dos mais comuns e tem a incidência estimada entre 7 a 10 casos para cada 100 mil habitantes, principalmente

Câncer e consumo de álcool

Durante a pandemia, a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas (Abead) observou um aumento de 40% nas vendas de bebidas alcoólicas. As

× Como posso te ajudar? Available from 08:00 to 18:00