Vacina contra o HPV pode tornar o câncer de colo de útero uma doença do passado

Vacina contra o HPV pode tornar o câncer de colo de útero uma doença do passado

Doenças como a varíola e poliomielite foram erradicadas no Brasil, graças à vacinação. Se seguirmos o mesmo caminho, em breve poderemos assistir também a erradicação do câncer de colo do útero.

Vacinar crianças e adolescentes contra o HPV (papilomavírus humano) é uma estratégia de saúde pública. A recomendação, chancelada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), tem como objetivo reduzir a circulação desse vírus que sexualmente transmissível e causador de diversos tipos de câncer, com destaque para o tumor de colo de útero, que mata no Brasil, cerca de 16 mulheres por dia.  

Um estudo britânico demonstra o alcance e sucesso dessa estratégia de vacinação. Publicado no jornal científico The Lancet, cientistas da Universidade King’s College, no Reino Unido, onde a campanha de vacinação começou em 2008, investigaram o impacto do imunizante entre vacinadas e não vacinadas. 

Eles concluíram que quem recebeu a vacina com 12 ou 13 anos apresentou, na fase adulta, uma redução de 87% no risco de desenvolver o câncer de colo de útero em comparação com quem não havia se vacinado.

No Brasil, esse tumor é a quarta causa de morte por doenças oncológicas entre mulheres. O programa de vacinação começou por aqui em 2014 para meninas de 11 a 13 anos. No ano seguinte, a faixa etária baixou para 9 anos e, depois, os garotos também entraram na campanha. Os meninos atuam como transmissores do vírus, e com eles imunizados, é possível reduzir a taxa de contaminação na população em geral.  Além disso, os garotos ainda ficam mais protegidos contra cânceres de pênis, orofaringe e anal.

O HPV e a ação das vacinas

Embora na maioria dos casos, o sistema imunológico elimine o vírus, alguns tipos de HPV tem potencial oncogênico, podem levar à formação de verrugas genitais e/ou alterações pré-tumorais no colo do útero, favorecendo, assim, o aparecimento de um câncer. 

As vacinas miram naquelas cepas que podem provocar doenças mais graves. Há cerca de 15 tipos oncogênicos, sendo que dois deles, o 16 e o 18, estão por trás do câncer de colo de útero. Por isso, os primeiros imunizantes focavam nessa dupla. Com o decorrer dos anos, as vacinas foram aprimoradas e chegamos até à injeção nonavalente.

Tipos de vacina:

Bivalente: proteção contra os vírus 16 e 18, que respondem pela maior parte dos casos de câncer de colo de útero. É indicada só para mulheres. O número de doses muda conforme a idade só está disponível na rede privada. 

Quadrivalente: protege contra os tipos 6, 11, 16 e 18. Ela evita lesões genitais pré-cancerosas do colo do útero e vulva nas mulheres, e anal em ambos os sexos. O número de doses muda conforme a idade. Disponível para crianças e jovens pelo SUS. 

Nonavalente: mira nos tipos 6, 11, 16, 18, 31, 33, 45, 52 e 58. Ela reduz o risco dos cânceres de colo do útero, vulva, vagina, ânus, pênis e orofaringe, além de proteger contra alguns tumores de cabeça e pescoço.  É tomada em três doses, mas só está disponível na rede privada. É indicada para meninas e mulheres de 9 a 26 anos de idade, e homens de 9 a 26 anos, segundo recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

Quem o SUS vacina contra o HPV?

Reforçando: no sistema público, é possível tomar a vacina quadrivalente (contra os tipos 6, 11, 16 e 18 de HPV). Ela é indicada aos seguintes grupos:

  • Meninas de 9 a 14 anos
  • Meninos de 11 a 14 anos
  • Mulheres imunossuprimidas de 9 a 45 anos
  • Homens imunossuprimidos de 9 a 26 anos 

Nenhuma das vacinas contra o HPV é terapêutica, ou seja, não há eficácia contra infecções ou lesões já existentes, por isso a importância de adotar um comportamento sexual seguro e realizar também os exames preventivos.

Vamos deixar um legado para as gerações futuras, estimulando e apoiando a vacinação de crianças e jovens contra o HPV.

Janeiro, o mês colorido de verde piscina, para alertar e conscientizar sobre a prevenção do câncer de colo do útero.

Oncocenter, de JANEIRO A JANEIRO, dedicada a você!

Fontes: INCA, Ministério da Saúde, Universidade King’s College 

Siga-nos

Notícias recentes

Câncer renal

Esse tipo de câncer não é dos mais comuns e tem a incidência estimada entre 7 a 10 casos para cada 100 mil habitantes, principalmente

Câncer e consumo de álcool

Durante a pandemia, a Associação Brasileira de Estudos do Álcool e Outras Drogas (Abead) observou um aumento de 40% nas vendas de bebidas alcoólicas. As

× Como posso te ajudar? Available from 08:00 to 18:00